QUATRO

METADES

4 CONTOS DE MIA COUTO 

Este espetáculo é um mergulho no universo de Mia Couto, nas suas personagens, contextos dramáticos, simbolismos, secretismos, reflexões e levantamento de questões que são, quanto a nós, apanágio da condição humana.
O fascínio pela obra de Mia Couto levou-nos a tentar contactar directamente o autor e, qual caravela lançada em mar desconhecido, fomos rapidamente conduzidos a um porto muito mais enriquecedor do que imagináramos - o que foi, inicialmente, um contacto muito esperançoso mas receoso da nossa parte, transformou-se numa comunicação regular, franca e generosa com este autor que acolheu o nosso projecto de alma inteira e nos tem, gentil e calorosamente, acompanhado ao longo de todo o percurso.
Escolhemos, em dialéctica constante com Mia, quatro dos seus contos para levar a cena: “Na Berma de Nenhuma Estrada”, “Entrada no Céu”, “Meia culpa, meia própria culpa” e “O nome gordo de Isadorangela”. E com estes contos nas mãos, decidimos transformar em espectáculo as palavras e universo de um autor sobejamente conhecido e reconhecido por todos, mas pouco dramatizado.
Os quatro contos escolhidos - como, afinal, toda a obra de Mia Couto – são profundamente humanos. Falam de Gente que é Gente, feita de corpo, razão, emoção, sonhos, medos, segredos, mágoas, História, preconceitos e raça. Falam do que é ser preto e do que é ser branco, do que é querer Longe quando se não pode almejar distância nem Futuro e do que, ainda assim, se almeja. Do caminho que se percorre, segundo os cânones ou fora deles, com os Outros ou sozinhos.
Estes contos são povoados por mulheres e por homens, brancos e pretos, solidões profundas, mágoas tão cortantes quanto silenciosas, desejos pulsantes e sonhos destemidos. E sendo um espectáculo com uma só intérprete – uma mulher – é um espectáculo onde ecoam várias vozes que, no País e Mundo em que vivemos são cada vez mais gritantes e deverão estar cada vez mais perto do que Longe. De todos nós.

FICHA TÉCNICA

Autor: baseado em 4 contos de Mia Couto

Encenador: Renato Godinho

Interpretação: Iolanda Laranjeiro - com Coio So, Leandro Pires, Igor Regalla, Nayana Rodrigues e Soraia Tavares

Desenho de Luz: Paulo Santos

Música Original: Teresa Gentil

Espaço Cénico: Renato Godinho

Figurinos: Renato Godinho

Desgin Gráfico: Paulo Cruz

Fotografia de Cena: Miguel Carriço

Produtor: Duarte Nuno Vasconcellos

Director de Produção: Clara Artur

Assistente de Produção: Ricardo Brito Diniz

Produção: Buzico! Produções Artísticas 

outros espectáculos!

You see

things;

"you say why!"

but i dream things that never were

and i say

"why not?"

bernard shaw